Marvel RPG
Seja bem vindo ao Marvel Rpg! No momento estamos passando por um Remake, pedimos que você retorne mais tarde. Se você já tem uma conta e jogava aqui antigamente, fique atento pois haverá eventos especiais na reinauguração voltados para você.

Ficha - Elizabeth Thorn

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Mensagem por Elizabeth Thorn em Sab Jul 27, 2013 12:52 pm


Elizabeth "Fucking" Thorn

Hit me like a man.

Dados Básicos - Fisico/Psicologico
NOME:
Elizabeth Thorn.
CODENOME:
Wicked Mistress
IDADE:
23
NACIONALIDADE:
Inglesa.
GRUPO:
Independente.
OCUPAÇÃO|PROFISSÃO:
Nada oficial. Bicos, empregos temporários, troca de favores, mas normalmente faz apresentações quase todas as noites em bares e casas noturnas - cantando, dançando, seja o que for.

Elizabeth é petulante, agressiva, sempre usa sarcasmo, ironia e o bom e velho humor negro em suas conversas. Gosta do escuro, prefere a noite, tem a mente aberta para novas ideias e é completamente livre de preconceitos, tabus e paradigmas. Pode não parecer, mas por trás da aparência desleixada, há uma garota inteligente e que filosofa sobre tudo. Ela faz tudo o que quer, na hora que quer. Diz o que pensa, é grossa. E por isso se considera uma "alma livre". Seus conceitos de "certo" e "errado" são difíceis de compreender.

Tem uma tatuagem na nuca do escritor Edgar Allan Poe em preto e branco. Ela diz que ele era sua "Alma gêmea da literatura", e seus textos são seus favoritos. Sempre fazendo citações dele.
É branca pálida, mas normalmente usa maquiagem de cores fortes e escuras. Ela pinta os cabelos de branco - sua cor natural é o loiro escuro, mel.
É bem magra e muito alta. Pernas longas.
Altura: Cerca de 1,75 centímetros
Olhos azuis.
Peso: 46 kg
Poderes e Habilidades
Umbracinese (Escuridão)
Capacidade de criar e/ou manipular escuridão. É capaz de criar formas sólidas ou viajar pelas sombras, mas isso gasta muita energia e o indivíduo fica cansado e sem tanta disposição após o fazer - mas depende da quantidade em que se usar o poder, quanto mais complePor conta desse poder, Elizabeth desenvolveu visão noturna.
[Ela o controla sem precisar fazer movimentos, exceto quando cria formas sólidas. No auge da utilização, seus olhos ficam inteiramente negros.]

Ilusionismo (Nova realidade)
Habilidade de alterar as percepções dos outros e até de si próprio, criando imagens, sensações e sons falsos capazes de enganar os sinco sentidos e atrapalhar raciocínio lógico.
[Ela só precisa se concentrar um pouco e imaginar o que quer ver e o que deseja que o outro veja.]
Antecedentes históricos
Inglesa, Elizabeth nasceu na família rica dos Thorn.
Desde o nascimento, ficava dias inteiros sozinha, andando pela mansão e fazendo o que podia para gastar o tempo. Lendo , ouvindo discos velhos no porão. Sendo ignorada pelos pais, que ficavam o dia inteiro fora. Assim, criou sua personalidade e mentalidade completamente sozinha. Suas filosofias.
Por não ter passado a infância com muitas pessoas ao redor, não foi condicionada a interagir de acordo com regras morais e/ou sociais comuns, e não tinha noção do que deveria ser considerado fora do comum.
E assim foi até seus onze anos de idade, quando um dos empregados da mansão a viu manipulando sombras ao dançar no porão. A garota fazia as sombras dançarem pelo porão, fazia novas sombras surgirem e desaparecerem, mudarem de forma e dançar junto com ela. Em formas humanas, psicodelicas, animalescas, padronizadas, em três dimensões. Tudo ao som de Joan Jett.
Os pais da garota receberam a ligação inconveniente e desesperada do funcionário. Não demorou até que chegassem em casa para ver o que estava acontecendo. Uma hora depois, a garota ainda estava no porão dançando com as sombras. A família encarou o terror. Religiosos, pensaram se tratar de possessão demoníaca ou presença paranormal. A garotinha já não era mais vista como sua filha.
Três psiquiatras e sete padres. Nenhum conseguiu compreender. Mantiveram sigilo após a boa quantia paga. Os pais de Elizabeth agora tinham medo da garota, que se sentia como uma aberração. Decidiu que gostava mais quando ninguém lhe dava atenção.
Acordou naquela manhã nublada com dois homens na porta de seu quarto. Os pais olhando nervosamente para ela. A garota se sentou na cama, confusa. Os adultos falavam em tom de luto, com pesar, ela não ouvia direito. Sem aviso, os dois homens de branco se aproximaram e agarraram os braços finos da criança, e em menos de alguns segundos, a mesma se encontrava em uma camisa de força. Deste momento para frente, ela compreendeu o que estava acontecendo e começou a gritar e se debater.
"Está tudo bem. Esses jovens vão te ajudar com o seu problema em ser uma aberração, então se comporte." O pai disse em tom severo. Ela guardava rancor por eles, e jamais esqueceu a frase que fora uma das poucas que ele trocara com a filha.
Quando passou pela porta, a garota já gritava até a garganta arranhar e se debatia sem se importar em ganhar alguns hematomas por conta disso. As sombras não ficaram no quarto escuro, as sombras a seguiam, e a escuridão rodopiava como se fosse fumaça. Assustado, um dos homens olhou para a garota de  olhos arregalados. Ela o encarou, gritando e mostrando os dentes como um pequeno animalzinho selvagem sendo levado para o primeiro cativeiro. O homem sentiu as mãos tremerem. Ela, olhando em seus olhos. O homem teve a impressão de que alguém estivesse atrás dele e se virou rapidamente, soltando a garota no chão. Mas não tinha ninguém atrás dele.
"O Doutor disse que é assim mesmo, cara. Segura essa pirralha! Para de ser cagão." O outro de branco disse. E então Eizabeth se virou para ele.
Parecia em estado de pura insanidade, completamente fora de si. O segundo homem a observou por alguns segundos.
Os olhos da garota estavam completamente negros, e escorriam um líquido de mesma cor. Enojado, o enfermeiro a empurrou para longe de si, esfregou os olhos e voltou a encará-la com o coração a mil - mas seus olhos estavam normais. A jovem Thorn riu histericamente pela reação dos dois, jogando a cabeça para trás, estirada ao chão.
"Vamos, levem essa coisa daqui!" O pai gritou. Os homens se olharam, e hesitantes, a carregaram.
xx
O lugar para onde a levaram era um sanatório católico onde práticas ilegais para estudos da psicologia e anatomia aconteciam frequentemente.
Elizabeth fora largada em uma sala enorme. Vazia, mas completamente escura. Não se via absolutamente nada. Enquanto ela estivesse acordada, não passavam comida por debaixo da portinhola. Talvez fosse algum dos testes, pois ficou instalada naquela sala durante exatamente dois anos. Seus banhos eram no escuro, refeições. Mas ela enxergava mesmo no escuro. E no resto do tempo, a garota passava criando ilusões para si própria - músicas dos discos que ouvia, pessoas andando ao seu redor, criaturas se enforcando, e até criara um "amigo": uma sombra que debatia filosofia com ela. Nunca conseguira entender como fazia aquilo, mas ela tinha esse controle em trazer para o "real" representações do subconsciente dos outros, não só para si mesma. Percebera isso no dia em que a levaram para lá, com o que fizera com os dois enfermeiros.
Após dois anos assim, isolada, perdeu todas as poucas chances de ainda ter uma mente normal. Fora estuprada por enfermeiros diversas vezes. -E por isso, tem nojo e ódio de todo e qualquer estuprador/pedófilo. (Seu passatempo secreto e macabro é caçá-los.)
O dia em que a permitiram sair da sala foi seguido de semanas de reabilitação demorada para que seus olhos pudessem enxergar na luz novamente sem se cegarem completamente. Se acostumar com sons altos aos poucos. Tomar pequenas doses crescentes de sol para não ficar doente - e só não havia ficado antes pois misturavam em sua comida vitaminas necessárias.
Ao fim das longas semanas de reabilitação, a deixaram no pátio de sociabilização, onde todos os outros internos ficavam. Mais dois anos sem falar com ninguém. Todos a chamavam de "Miss Freak", pelo fato da garota ser estranha e calada. Apenas trocas de monossílabos e gestos necessários - Até que um grupo de jovens fizeram amizade com a garota. Péssimas influências, rebeldes, estúpidos, drogados, não estavam nem aí com nada... E ela simplesmente os adorava. Eles sempre falavam em ideias e possibilidades de fugir dali, ir para bem longe se drogar em shows até a morte. Infelizmente, demorou seis anos até que a primeira oportunidade aparecesse. Agora com 19 anos de idade, Elizabeth namorava um dos seguranças mais jovens e bobos. Não porque sentisse algo por ele, mas porque ele era a oportunidade. Seduziu um outro enfermeiro para conseguir sonífero com a desculpa de que não conseguia dormir direito, e isso dava dores de cabeça. Colocou o sonífero no café do segurança enquanto estava com ele, e quando o mesmo adormeceu, a jovem roubou suas chaves e desligou as chaves principais de energia do sanatório.
Foi assim que Elizabeth fugiu com os outros.
xx
Com 20 anos, sobrevivia como podia. Qualquer trabalho era válido. Qualquer trabalho. Mas na maioria das vezes, ganhava ao tocar em bares e casas noturnas com seus colegas na banda que haviam formado. Morando com todos numa casa abandonada que foi sendo reformada aos poucos - tinha um ar grunge, sempre com fumaça de maconha em algum lugar e música alta em algum canto. Tudo largado pelo chão e pendurado em paredes, viviam aos trancos. Seus amigos entendiam suas habilidades e já estavam acostumados. Brincando, as vezes a chamam carinhosamente de "Wicked Mistress", pois é assim que a chamam nos bares onde toca, e esse é o nome da banda. Ela vive em seu quarto escuro ouvindo música alta e desenhando ou lendo, saindo com "os caras" pra beber. Então, basicamente, vive assim. Agora com 23 anos. Jura botar fogo na mansão onde morava quando estiver com muita vontade, um dia.
Outros Dados
FRAQUEZAS:
Camisas de força, ficar presa, qualquer coisa que a faça lembrar do sanatório onde ficou anos difíceis.
Muita claridade, luzes muito fortes. Música ruim a deixa estressada.

MANIAS:
Rir da desgraça alheia, ser sincera logo de cara, falar tudo o que pensa na hora em que quer. Fazer o que quiser, mesmo sabendo das possíveis consequências. Petulância a diverte; Deitar no telhado com os "caras", beber e filosofar. Fazer pequenos furtos em tabacarias e em carteiras alheias. Fazer observações e dar opiniões em momentos não muito agradáveis. Ir ao cemitério local uma vez por semana para prestar respeito e filosofar sobre a vida e a morte.
Sempre que perguntam qual é o nome dela, a resposta será "Thorn. My name is Elizabeth Fucking Thorn."
Outra frase que ela diz em discussões ou brigas é "Hit me like a man".
Boca suja, e não consegue mudar isso.

PERICIAS:
**Sedução Persuasiva (Habilidade seduzir qualquer pessoa através do olhar ou da voz, podendo convencer ou obrigar pessoas a fazer o que se pede. )
**Furtividade (Realizar ações disfarçadamente, dissimuladamente. Se move sem fazer um único som, habilidade em movimentos precisos que passam despercebidos, agilidade silenciosa. )



Última edição por Elizabeth Thorn em Sab Jul 27, 2013 2:50 pm, editado 1 vez(es)

avatar
Messages : 19



Elizabeth Thorn


Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem por Scott Summers em Sab Jul 27, 2013 1:47 pm

Ficha Aprovada, Srta Sombria!!!
Bom Jogo, espere seus níveis e divirta-se...

avatar
Messages : 41



Scott Summers


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum